Aquele que Segue.

Você já se pegou em um dia completamente sem vontade de fazer nada? Claro que sim. Indisposição e Preguiça são características inerentes ao ser humano. Deixar de fazer coisas chatas triviais ou mesmo importantes e que não deveriam ser adiadas, ou apenas protelar atitudes que serviriam para melhorar nosso padrão de vida é algo que fazemos o tempo inteiro nas diversas decisões que precisamos tomar durante o dia.

Mas, e quando isso se torna uma constante no comportamento, ao invés de ser apenas uma exceção da regra? Como driblar a eterna luta entre consciência e instinto, que rege nossos padrões de comportamento?

É aí que entra uma palavrinha mágica, chamada Disciplina.

A minha (pouca) experiência de vida me mostra que condicionamento para realizar tarefas edificantes (porém pouco prazerosas) tem sua origem no hábito. E esse hábito não-raro vira prazer à medida que se incorpora na sua rotina naturalmente. Um aborígene consegue viver sem banho por meses e não faz idéia do que é a necessidade de escovar os dentes. Você consegue se imaginar por uma semana sem higiene pessoal? Se a resposta é sim, espero sinceramente que  Eu não venha a conhecer você de perto. O esforço inicial pode virar necessidade no futuro. A princípio esse conceito sempre me pareceu restrito a estudos e exercícios físicos. Aquela visão romântica de que é o que você vai ter quando entrar no Exército! E não é errado associar a vida militar como sinônimo, já que a obediência, foco e retidão são as chaves para uma carreira bem sucedida. Porém, de uns tempos pra cá tenho notado que a disciplina em si possui várias outras facetas muito mais interessantes. São outras perspectivas que dão um pouco mais de esperança àquelas pessoas que trocaram um dia de mau humor pelo comportamento de conformismo padrão  que citei ao início do texto. Alguns exemplos:

A garra de um garoto que joga respira futebol o dia inteiro e 90 minutos são pouco para refletir o seu talento.

Altruísmo na iniciativa de alguém que doa algumas horas de seu dia (ou da semana) em prol de ajudar pessoas necessitadas.

Um músico que toca seu instrumento por 10 horas a fio descobrindo peculiaridades e timbres em busca de uma composição que satisfaça sua necessidade por arte.

Um workaholic que não consegue se desligar enquanto não termina um projeto pela empolgação e por acreditar no que está desenvolvendo.

O aluno que descobre um novo talento para os estudos enquanto se esforça para passar num vestibular concorrido.

Embora todas essas alterações no padrão exijam uma dose de sacrifício, quem consegue se beneficiar disso no longo prazo sabe que valeu a pena desde o princípio. E no final de tudo você descobre que o que foi feito está muito mais associado à paixão pelo que se faz e satisfação especial e vale muito mais a pena do que qualquer cochilo que se deixou de dormir, balada que já não acrescentava nada, mas você insistia em ir jurando (ou tentando convencer) a si mesmo de que estava se divertindo, ou horas desperdiçando tempo precioso passeando por lugares aos quais já foi mil vezes ou atividades que não passam de mera distração. É, eu preciso de uma dose um pouco maior de disciplina. Mas depois que começo, não consigo parar.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: